20 de novembro – Dia da Consciência Negra SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FECTMAT 2023 Tempo de Aprender REALIZAÇÕES Pré-matrícula Online EM PROF CELITA RODRIGU?S Ciência Móvel do Museu da Vida Fiocruz Volta às aulas 2024 REFERENCIAL CURRICULAR MUNICIPAL EDUCAÇÃO CONECTADA CIDADE DE JAPERI 32 ANOS JAPERI DIA DO PROFESSOR RIO GUANDU NOVA BELÉM EM VER PAULO FELIX ESCOLA EM TEMPO INTEGRAL CONAE 2024 EM REGINA CELIA NA PROMEA HISTÓRIA NEGRA NO BRASIL TODA ESCOLA Painel nacional de Leitura

Hinos Cívicos

HINO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL

image-1

Se a arte imita a vida, podemos notar que a história do Hino da Independência foi tão marcada de improviso como a ocasião em que o príncipe regente oficializou o fim dos vínculos que ligavam Brasil a Portugal.No começo do século XIX, o artista, político e livreiro Evaristo da Veiga escreveu os versos de um poema que intitulou como “Hino Constitucional Brasiliense”. Em pouco tempo, os versos ganharam destaque na corte e foram musicados pelo maestro Marcos Antônio da Fonseca Portugal (1760-1830).

 

Já podeis, da Pátria filhos,
Ver contente a mãe gentil;
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá... temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Os grilhões que nos forjava
Da perfídia astuto ardil...
Houve mão mais poderosa:
Zombou deles o Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá... temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Não temais ímpias falanges,
Que apresentam face hostil;
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá... temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Parabéns, ó brasileiro,
Já, com garbo varonil,
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá... temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Composto por D. Pedro I, em 1821. Em 1922, Evaristo da Veiga escreveu novos versos , que constituem a letra atual.

 

 

Última atualização - 23/11/2020 - 00:11

Publicado por:https://brasilescola.uol.com.br/historiab/hinodaindependencia.htm